Crónica #03 - Compre Bem e Local

As viagens ao Porto são sempre inspiradoras, seja pela cidade ou pelos novos espaços, no entanto a última visita foi especialmente inspiradora pelas pessoas. Depois de partimos de Lisboa bem cedo, chegámos (eu e a Marta) a Matosinhos para almoçar com o Miguel Barbot da Velo Culture e a Alice Bernardo do Ofício. Convivendo de perto com a realidade da produção nacional, o Miguel e a Alice partilham uma paixão comum pelas coisas bem feitas, por produtos de qualidade e peças produzidas localmente, algo que vai de encontro a tudo o que tento promover n'O Editorial. Na Velo Culture, entre as melhores marcas internacionais, Miguel (e os sócios) apresenta também acessórios de bicicletas  (tal como os cestos Saber Fazer) de origem nacional, fazendo a ponte entre artesãos e o público. Já Alice, através do Ofício (em conjunto com Miguel e um amigo), leva esta noção de promover  o trabalho dos artesãos ainda mais além através de um serviço que faz a ligação entre designers e produtores, controlando a qualidade da produção, desenvolvimento de marcas e imagem. Deste modo não só dá a oportunidade aos designers de executarem as suas criações em pequena escala e de forma controlada, como também permite que os artesãos alarguem os seus horizontes, aumentem o volume de encomendas e criem postos de trabalho.

essay3 2

Ao jantar, na companhia de Rute Vieira e José Lima, fundadores da Ideal & Co, a conversa convergiu para o mesmo tema. Com a Ideal & Co, Rute e José fizeram com que a zona de curtumes de Alcanena tivesse de novo orgulho na sua indústria, ajudando não só a manter técnicas de produção em extinção, adaptando-as a novos desafios,  e criando um novo alento na região. Para além do trabalho com a marca, falámos da importância das empresas têxteis portuguesas criarem produtos com valor acrescentado, em vez de simplesmente concorrerem com países de mão de obra mais barata.

essay3 3

Em conclusão, a importância dos consumidores é vital. Cada vez mais, um crescente número de pessoas querem saber onde as coisas são produzidas, a história por detrás dos produtos e o impacto social das marcas. No entanto, é apenas um nicho que está interessado nestes temas e que valoriza a qualidade. Temos de nos questionar como é possível comprar uma t-shirt por 5 euros, em que condições foi produzida e se é isso que desejamos para o nosso futuro. É absolutamente essencial consumirmos menos e melhor, e darmos, enquanto consumidores, a mensagem aos grandes grupos que estamos dispostos a pagar mais e saber que aquele produto foi produzido de forma ética, pago na origem de forma justa. Como tal, temos de olhar para as boas marcas portuguesas como a Ideal & Co e La Paz, apoiar o seu trabalho, porque dessa forma estamos não só manter o emprego do nosso 'vizinho', mas igualmente fazemos que artesãos e industrias evoluam e se adaptam às necessidades do futuro!

Fotos por Alice Bernardo com peças Ideal & Co