Casa Ruim

This post is only available in portuguese.  Torres Vedras pode não parecer o local mais óbvio para estabelecer uma loja como a Casa Ruim, no entanto Vanessa Éffe e João Faustino provam desde 2009 que é possível manter um espaço repleto de livros e curiosidades numa cidade mais pequena. Entre volumes da Planeta Tangerina, banda desenhada, robots de lata, cadernos da Serrote, ilustrações e cerâmica da Bordallo Pinheiro, a pequena mascote da loja, uma gata preta de nome Simone, dá boas-vindas aos clientes.

O Editorial falou com Vanessa Éffe, co-fundadora da Casa Ruim:

O Editorial: O que vos levou a abrir a Casa Ruim? Vanessa Éffe: Foi a vontade de ter um espaço com os artigos que gostamos, muita e boa banda desenhada, ilustração, brinquedos de lata, especialmente robots! Somos muito revivalistas, adoramos tudo o que é vintage, do mais kitsch ao mais clássico. E depois juntar a essa vontade, há de ter um Atelier de Design e Ilustração. O João Faustino faz design gráfico, webdesign e vídeo e eu faço ilustração, fotografia e tenho experiência em comércio.

Que factores valorizam na escolha de novos produtos? Essencialmente somos sensíveis à ilustração e ao design e por conseguinte à história que o objecto tem para nos contar. Damos preferência aos produtos portugueses e que tenham alguma história, como é o caso da Viarco. Os Lápis Viarco atravessaram várias gerações e são o exemplo do bom design que actualmente se faz em Portugal, orgulhamos-nos de vender deste o pião Turn-it ao lápis que tantos têm na memória, da tabuada.

E quais os produtos mais vendidos? Os álbuns ilustrados vendem muito bem, todas as edições da Planeta Tangerina, Bruaá, Orfeu Negro, Kalandraka, Oqo... seguidos dos brinquedos de lata, aí a preferência vai para o Macaco Calculadora e o Caixeiro Viajante, são lindíssimos mas também os mais pequenos, os ratinhos, galos e outras bicharadas! Os caleidoscópios, os cadernos da Moleskine, por exemplo da colecção Star Wars e Fanzines. Também vendo muito bem os lápis da Viarco e começamos agora a ter peças da Bordallo Pinheiro e está a receber muito bom feedback por parte dos clientes.

"Vivemos perto de tudo, de Lisboa, do mar, da natureza e também a poucos passos da loja, o que nos oferece muita qualidade de vida porque não temos que enfrentar filas para chegar ao trabalho nem confusões. Torres Vedras é uma pequena cidade, calma... mas por vezes demais, o que trás também desvantagens a nível de visitas na loja. Mas combatemos isso com o nosso site online e com as redes sociais a quem estamos sempre ligados! Adoramos o centro histórico de Torres Vedras e o comércio tradicional, tem história e foi isso que procuramos fazer parte dele!"

E a gata, ajuda nas vendas? A Simone convida as pessoas a entrar quando se mete à porta ou em cima do balcão. Muitas conversas surgem por causa dela e também ajuda às pessoas sentirem-se mais à vontade, isto se não forem supersticiosas, porque se forem, nem sequer entram... e ainda bem! Principalmente, ajuda no bem estar no local de trabalho, sinto-me em boa companhia e ela ganhou um lar onde é bem tratada e conhecida por todos!

E o episódio mais insólito? Já tivemos tantas histórias insólitas que não posso contar... o espaço onde estamos foi durante vários anos uma loja de venda de roupa de casa, lençóis, meias, roupa interior... e quase três anos depois de termos aberto a loja continuam-me a perguntar se tenho ceroulas para vender... sim ceroulas!